Fast Fast Forward

Lições da Copa

XL_Seguros_Brazil_Property_e_Riscos_de_Engenharia_Jorge_Lombardi_500x308pxi

By

Independente do desempenho da seleção canarinho, o Brasil pode ter uma grande vitória com a Copa do Mundo: a melhoria da gestão de riscos e de engenharia em grandes obras. Este ativo intangível só é conquistado, na maioria das vezes, com a experiência – um processo de décadas, na maioria das nações. No Brasil, a conjunção das obras dos Programas de Aceleração do Crescimento com o pacote da Copa, que visava deixar um legado para o País, trouxe à baila pontos críticos que, se observados, podem fazer a diferença daqui para a frente.

É o caso, por exemplo, da análise do projeto antes mesmo que ele venha a ser licitado. Como algumas obras de mobilidade já quase concluídas estão evidenciando, a defasagem entre a demanda real e a que foi projetada implica  custos de refação que, outrossim, poderiam ser evitados. Estudos do Building Research Establishment (BRE), do Reino Unido, mostram que erros na construção têm 50% da sua origem na fase de projeto – um percentual que não pode ser ignorado.

Erros de cobertura

Sobre a questão do cronograma, é preciso fazer uma distinção. O capital privado, que depende do início das operações de um determinado ativo para começar a recuperar os investimentos, tende a valorizar mais o cumprimento de datas. Ainda assim, imprevistos no transporte de equipamentos, incidentes climáticos e falta de mão de obra podem atrasar desde uma fábrica até um condomínio de apartamentos. Grandes obras públicas, por sua vez, estão sujeitas a uma gama maior de etapas burocráticas e riscos, como estudos de impacto ambiental, acordos de compensação com comunidades locais, auditorias de tribunais de contas e, em alguns casos, alterações nos prazos de disponibilização das verbas. Seja qual for a causa, hoje já é possível contemplar o fator prazo nas apólices, cobrindo a cessão de lucros por atraso no início das operações.

A cobertura de atrasos é um entre inúmeros mecanismos que o mercado de seguros oferece para elevar a confiança dos investidores em empresas e governos, protegendo aportes vultosos e riscos complexos. Mais do que cobrir prejuízos, hoje as seguradoras trabalham para evitar ou minimizar riscos. O expertise internacional, que agrega conhecimento sobre melhores práticas e estatísticas globais, combinado com o conhecimento do mercado local, permite oferecer uma consultoria efetiva não só no correto dimensionamento do risco, mas em fatores que podem ser mitigados.

Nossa experiência mostra que o trabalho conjunto entre subscritores e engenheiros favorece muito o setor da construção, que tem desafios muito semelhantes em todo o mundo. A começar pelo fator humano, pois, quando falamos de construção, incidentes podem significar mortes: qualquer outra taxa de incidência de acidentes de trabalho que não seja zero indica que alguém, no mínimo, se feriu. De acordo com a Previdência Social, a construção de edificações é o segundo setor com o maior número de mortes em acidentes do trabalho no país, perdendo apenas para a área de transporte rodoviário de carga. E as obras dos estádios para a Copa infelizmente não foram uma exceção.

Não é fácil atingir o nível zero de acidentes, mas isso é viável, mediante tempo, dedicação e planejamento. Sabendo que o nível de engajamento dos colaboradores é um fator crítico para o atingimento dessa meta, o XL Group realiza pesquisa em todos os níveis da organização para ajudar seus clientes nos Estados Unidos a identificar o grau de envolvimento dos funcionários. Quando os valores fundamentais são devidamente estabelecidos, basta apenas verificar e ajustar práticas, processos e procedimentos ao longo do tempo. Mas se não há uma base sólida, é preciso começar pela construção de uma cultura corporativa de segurança.

Como vários protestos de rua sinalizaram, o Brasil precisa mais do que estádios, portanto as lições da Copa são importantíssimas para as estradas, portos, escolas, hospitais e residências, que devem manter o crescimento do setor nos próximos anos. A estimativa do Sinduscon para o crescimento da construção civil em 2014 é de 2,8%. A Abramat, que reúne os fabricantes de materiais de construção, é mais otimista: aumento de 4,5% nas vendas de materiais de construção neste ano, movimentando R$ 104,4 bilhões. O governo continuará investindo: na proposta de Lei Orçamentária, a previsão de investimentos no PAC 2 neste ano é de R$ 54,463 bilhões. Uma gestão adequada de riscos é fundamental para a eficiência desses investimentos.

--
Clique aqui para saber mais

.

Copyright 1996-2018  XL Group Ltd All Rights Reserved

XL uses two forms of cookies on this site:

  1. to enable the site to operate and retain any preferences you set; and
  2. for analytics to make the site more relevant and easy to use.

These cookies do not collect personal information. For more information about our cookie usage, please click here. To comply with EU privacy laws you must consent to our use of cookies.

By using this site, you agree that we can place these types of cookies on your device. If you choose to change your cookie settings you will be presented with this message the next time you visit.